18 anos sem Cazuza

 Cazuza

Cazuza

Nesta segunda-feira completam-se exatos 18 anos da morte do poeta do rock Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza. O cantor morreu às 8h30 do dia 7 de julho de 1990, após uma noite tranqüila. A causa registrada no atestado de óbito foi …  ((bY Jack))

‘choque séptico, conseqüência de uma agranulocitose, decorrente da aids’. Com o fio da lãmina bem afiada O exagerado Cazuza, com suas rasantes na poética da paixão dilacerada. Em letras de corrosão, este Agenor, sorveu música ao mesmo tempo em que dissipava a vida em noites que nunca tinham fim (Por que a gente é assim?) lá pelos Baixos da vida. Sempre auto-irônico, realizou a profecia de ‘ganhar pra ser carente profissional’. Alguém capaz de explicitar seduções íntimas: ‘Há dias planejo impressionar você, mas fiquei sem assunto. Vem comigo, no caminho eu explico’. A devastação afetiva, a relação narcísica especular pós moderna, não poderia ter gerado polaróide mais holográfica. ‘Se todo alguém que ama, ama pra ser correpondido, se todo alguém que eu amo é como amar a lua inacessível, é que eu não amo ninguém’… o que só fez ressaltar o lastro do nosso Lou Reed de plantão, nos desvãos da saciedade amorosa: ‘Ser teu pão, ser tua comida, todo o amor que houver nessa vida, e algum trocado pra dar garantia’… ‘O nosso amor a gente inventa, pra se distrair e quando acaba a gente pensa que ele nunca existiu… Faz parte do meu show. Com pela aids, Cazuza, nos últimos discos, afiou ainda mais o fio da lâmina: ‘Eu vi a cara da morte e ela estava viva’, lançou suas boas novas, no álbum Ideologia. ‘Se você quiser saber como eu me sinto, vá a um labortório ou num labirinto, seja atropelado por esse trem da morte’. Mas o aço da navalha vinha sendo temperado ao longo de toda a carreira. A erosão de Só as mães são felizes…É . O poeta terminal, cantor da garganta em chamas e voz sem apuro, sempre exorcizou a própria condição de passageiro da agonia. Escancarando, sem economizar conseqüências, locutor impune da indignação no país dos seqüestros industrializados. A geração AI-5, comprimida entre o amor livre e a praga da aids, auto-imolou seu mártir a sangue frio.

bJo da jack procêis

8 Respostas

  1. Putz! eu gosto das musicas dele, apesar de tudo que ele fez.
    Eu acho ele o cara.

  2. Ele era fods. Pena que morreu tão cedo.

    Mor tá faltando vc colocar que é o autor do post, se é vc ou a Jack.

  3. –‘ Esqueçam esse meu post daí de cima –‘

    Coisa de mulher apressada, daew nem vi que tinha os autores. >.<

    Bj mor! hehehe

  4. gaohiaoihaoa

    q q a pressa naum faz..

    haoiahaoiahoaihaoaia

    BJ!!

  5. sobre o post..

    as musicas dele são muito massa..

    naum consegui acompanhar o trabalho dele. (ele morreu eu nem tinha nascido)

    mas as musicas que eu tenho dele são muito show..

    o cara era muito bom mesmo..

    eh isso..

  6. AH! Cazuza , por que foste tão cedo? igual a vç não haverá mais ninguém!!

  7. qazuza estan vivo no meu corasao.

  8. “Putz! eu gosto das musicas dele, apesar de tudo que ele fez.
    Eu acho ele o cara.”

    Em resposta;

    ‘”apesar de tudo que ele fez.” Esse ‘tudo’ contribuiu no legado de Cazuza, pois a forma que ele levava a vida, com toda aquela libertação pessoal, era o que ele buscava para seu país, a liberdade; De um país saindo de uma ditadura. E quem não consegue ver isso acompanhado a carreira de Cazuza, não compreendeu o que foi sua ideologia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: